SOS ARTE PT movimento de resistência da comunidade artística ao COVID-19

SOS ARTE PT

Os documentos principais desta plataforma estão neste blogue

A nossa página no Facebook faz o acompanhamento da resposta do setor artístico aos impactos da Covid-19

MANIFESTO (atualizado em 8/4/2020)

Lisboa, 2 de abril de 2020
 
1. Nome: SOS ARTE PT
 
2. Quem pode pertencer a este movimento: profissionais das artes, incluindo criadores, críticos, curadores, produtores, historiadores, professores e gestores culturais.
 
3. Quais os objetivos do movimento: 
 
3.1—Promover o reconhecimento da importância económica, social, educativa e cultural da atividade artística, defendendo e respeitando os interesses económicos, profissionais e sociais dos seus intervenientes, nomeadamente através da criação de um Fundo de Emergência. 
 
3.2—Responder aos impactos da pandemia Covid-19 na atividade artística, nomeadamente através dum plano de auxílio aos protagonistas mais duramente atingidos por esta crise, criando Círculos de Proteção que identificam os principais estrangulamentos da atividade cultural. Estes círculos subdividem-se em categorias: 
 
A) círculos conceptuais: 
— analítico (observa a atividade do movimento e produz sínteses)
— existencial (reune as pessoas interesssadas numa abordagem filosófica da crise)
— económico (desenvolve estratégias de resposta económica à emergência e ao quadro sócio-cultural pós-pandémico)
— institucional (desenvolve estratégias de articulação e cooperação com entidades públicas e privadas)
— pedagógico (organiza pontes entre artistas e públicos)
— experimental (desenvolve cenários pós-crise)
— produtivo (reorganiza a atividade artística durante a crise)
 
4. Âmbito geográfico: nacional
 
5. Quem são os fundadores: todos os que subscreverem o presente documento até ao fim do mês de abril de 2020.
 
6. A quem cabe a gestão do movimento: a um grupo de 9 a 15 pessoas que assumirão a responsabilidade de desenvolver as discussões e ações necessárias à consolidação do movimento SOS ARTE PT. Para já são: Ana Fonseca, António Cerveira Pinto, Carlos Moura-Carvalho, Fátima Lambert, Fernando Ribeiro, Fernando Pina, Manuel Casimiro, Luís Campos e Cunha, Regina Frank, Rodrigo Bettencourt Câmara, Thuy Tien e Valentim Quaresma.
 
7. Programa de Ação, primeiras sete medidas:
 
7.1 Criação dum Fundo de Emergência destinado a apoiar os artistas e outros profissionais de arte mais duramente atingidos pelos efeitos económicos, profissionais e sociais da pandemia; 
7.2 Reajustamento do Plano Nacional das Artes por forma a que o objetivo de tornar as artes mais acessíveis aos cidadãos ultrapasse os impactos extremamente negativos da pandemia COVID-19 sobre a sociedade em geral, e sobre a Cultura em particular; 
7.3 Criação de um Site destinado à recolha e tratamento da informação relativa aos programas de apoio às artes na presente emergência, quer no setor público, quer no setor privado;
7.4 Promover uma exposição on line com o título “100 dias de quarentena”, resultante da aquisição de 100 obras de arte a 100 artistas portugueses ou residentes em Portugal, selecionadas por um júri independente, do qual este movimento fará parte. As obras desta exposição serão adquiridas diretamente aos artistas ou a quem os represente;
7.5 Lançamento da “Bolsa de Ateliês 3.6.9” — uma plataforma on line de procura e oferta temporária de estúdios para artistas, a custo zero (por períodos de 3, 6 e 9 meses) em espaços habitacionais, comerciais e industriais;
7.6 Promover, em colaboração com as galerias de arte portuguesas, uma Feira de Arte Online.
7.7 Estabelecer redes de contacto e parceria com outras instituições nacionais e estrangeiras que partilhem os mesmos objetivos.
 
LINKS
 
Blogger
https://sosartept.blogspot.com/
 
Facebook
https://www.facebook.com/pg/sosartept/posts/?ref=page_internal
 
Email
sos.arte.pt@gmail.com
 
Telefones (só para esclarecimentos à imprensa)
António Cerveira Pinto  965 416 370 [em particular, os pontos: 7.4, 7.5, 7.6 e 7.7 do programa de ação]
Carlos Moura-Carvalho 937 604 855 [em particular, os pontos: 7.1, 7.2 e 7.3 do programa de ação]